Courtney e Kurt

Courtney Barnett e Kurt Vile juntaram-se e vão lançar no dia 13 de outubro Lotta Sea Lice. Enquanto se espera, e para não desesperar, pode-se ir ouvindo a bem agradável Over Everything.

Advertisements

Das Taipas para o Mundo

A versão em papel do jornal Reflexo tem uma rubrica intitulada “Das Taipas para o Mundo”, na qual se dá a conhecer casos de taipenses que saíram da bonita vila vimaranense rumo a outras paragens. Na edição de julho foi a minha vez. Deixo aqui a transcrição do texto.

P_20170604_114747_vHDR_On

Toda a minha vida vivi nas Caldas das Taipas, “terra onde a lua fala”, com apenas dois interregnos – primeiro na Dinamarca, onde estive a estudar por um semestre, e depois na Bósnia, onde estive um mês e meio num projeto de voluntariado. O destino, ou melhor, o programa Inov Contacto, deu-me recentemente a oportunidade de me deslocar até um enorme e díspar país da América Central, o México.

Encontro-me então na Cidade do México desde o início do ano a trabalhar numa agência de marketing digital, na qual crio e faço a gestão de campanhas no Google AdWords para as Américas. Por muito que goste do que faço não vou maçar o caro leitor com questões relacionadas com keywords, extensões de anúncios, taxa de cliques ou conversões.

O México é um país culturalmente riquíssimo, de uma beleza extraordinária, com um povo muito acolhedor, mas é também uma nação de contrates, de sociais a climáticos, e de problemas políticos e de segurança graves. Apenas tive a oportunidade de estar em 6 dos 31 estados mexicanos – à hora que lhes escrevo preparo-me para ir conhecer o sétimo, Quintana Roo – e apesar de todas as diferenças há um elemento em comum em todos eles: a amabilidade e abertura por parte das pessoas.

Viver na Cidade do México é uma experiência incrível, capaz do melhor e do pior. Vivem cá cerca de 20 milhões de pessoas, coisa pouca, e o crescimento da cidade claramente não foi planeado. Há um desrespeito estúpido pelas regras de trânsito, pois cá não há aulas de código ou condução, e atravessar uma passadeira é um desafio enorme! A cidade não descansa e o seu ritmo, aliado com a altitude, poluição e desordenamento, deixam qualquer um de rastos. Em condições normais é impossível circular de carro em horas de ponta – utilizo bicicleta ou metro (alguém falou em caos?) – mas quando chove a situação atinge o impensável. Já me aconteceu mais que uma vez ter de esperar uma a duas horas para sair do escritório porque as estradas se transformaram em autênticos rios.

No entanto, a cidade compensa largamente com outras questões, nomeadamente a nível cultural e social. Rezam as crónicas que é a cidade do mundo com mais museus e desde que cá estou tenho a sensação (bem real) de que estou constantemente a perder eventos super interessantes – 24h por dia são claramente insuficientes.

A facilidade com que se conhece pessoas novas e se trava amizades facilita imenso a estadia cá. Há uma grande comunidade estrangeira, principalmente na jovem e bonita zona onde vivo, La Condesa. O país é lindo e a nível social é muito interessante de analisar. Qualquer pequena coisa do quotidiano, como uma ida para o trabalho de metro, dava uma rica curta-metragem. Apesar das saudades, naturais, de família e amigos, estou “muy a gusto” e verdadeiramente encantado com o México.

The Crossing

thecrossing

Estou neste momento a ler The Crossing – My journey to the shattered heart of Syria, um livro em que Samar Yazbek (n. 1974) relata três viagens feitas clandestinamente à Síria entre 2012 e 2013. Samar é uma ativista (sobretudo pela liberdade de expressão e pelos direitos das mulheres e crianças), jornalista e escritora síria forçada ao exílio desde 2011 pelo regime de Bashar al-Assad. A guerra, desencadeada pela agressiva e sangrenta reação de Bashar às manifestações inicialmente pacíficas contra o regime e a favor de um estado democrático, continua a matar e deslocar inocentes todos os dias.

No livro tenho encontrado relatos impressionantes sobre o que Samar foi testemunhando nos seus regressos clandestinos à terra natal, sobretudo relativos ao dia a dia dos cidadãos que têm vindo a lutar ininterruptamente pela sua sobrevivência e para manter vivo o sonho de ter um país livre, democrático e em paz. Relatos que embora a mente se recuse a aceitar como verídicos, num primeiro momento, são autênticos e espelham o sofrimento e a destruição material e imaterial que vigoram no território sírio. Por entre os testemunhos relativos às repugnantes atrocidades cometidas por diferentes atores, Yazbek tem passagens emocionantes, verdadeiramente demonstrativas da bondade humana. Outras representam não só momentos de partilha de cariz mais pessoal como também atestam o estilo da sua escrita, como comprova o seguinte excerto, referente à segunda passagem da escritora da Turquia para a Síria através das montanhas Reyhanli.

“Of our band of twenty, I was the only woman. Three traffickers accompanied us, and among the men who had just arrived I noticed the Yemeni and the Saudi who had been on my flight from Istanbul to Antakya. They looked ready for action. I moved towards them, keeping a cautious distance away, still hoping to eavesdrop on their conversation. For a moment I wondered about saying something to them, like, ‘What are you doing in my country?’ but I remained silent. The past two years had taught me to keep quiet. Silence in an opportunity to give meaning to the things around us, to watch and reflect. It gives things the chance to express themselves; even if it’s not without ambiguity, silence often creates the space for meaning to emerge.”

Hey, that’s no way to say goodbye

cohenleonard

Hineni, hineni
I’m ready, my lord.

O poeta, escritor, compositor e cantor canadiano (n. 1934) deixou-nos fisicamente esta semana, com uns bonitos 82 anos de idade. Passou os últimos tempos de forma calma na sua casa em LA, ainda a escrever e com a consciência de que tinha recentemente concluído um dos seus melhores álbuns, You Want it Darker. Apesar de ter declarado no mês passado que estava pronto para morrer, não há boas formas de dizer adeus.

So long Mr. Cohen.

Shut up kiss me

A Angel Olsen passou ontem pelo programa do Stephen Colbert, onde apresentou Shut Up Kiss Me. A música faz parte do álbum My Woman, que sai no final desta semana. A julgar pela amostra, não só pela música em si mas também pelo vídeo que anda por aí desde final de junho, a norte-americana terá alargado horizontes e o novo álbum poderá ser uma agradável surpresa.

Murphy is playing at my house

GMRRQ-6FtgDMG6AUfzZBVMRmYnyYU4_lON6eYn7S3qU

Criar uma playlist é sempre um processo engraçado, de tal modo que há uns tempos fiz uma com músicas que me acompanharam durante o desenvolvimento da tese. Também não é mau para se evitar ou ir adiando tarefas definitivamente mais importantes que o divertido ato de criar uma playlist.

Porque não falta muito para James Murphy, Nancy Wang, Al Doyle e companhia visitarem as margens do rio Coura; porque vai ser o acontecimento do ano cá no “jardim da Europa à beira-mar plantado” no que diz respeito à música; porque a excitação começa a fazer-se sentir, pelo menos cá em casa; porque esta é a banda do século (até nem sou eu que o digo); porque “aquele” início da Tribulations continua a aumentar o meu batimento cardíaco de forma abrupta; porque a Home vai continuar a arrepiar-me over and over again; porque qual figura bíblica morreram e realizaram um funeral magnífico, no Madison Square Garden, apenas para ressuscitarem um par de anos depois; porque de momento tenho de tratar do meu futuro profissional; por muito mais, fiz uma playlist com músicas dos LCD Soundsystem.