The Crossing

thecrossing

Estou neste momento a ler The Crossing – My journey to the shattered heart of Syria, um livro em que Samar Yazbek (n. 1974) relata três viagens feitas clandestinamente à Síria entre 2012 e 2013. Samar é uma ativista (sobretudo pela liberdade de expressão e pelos direitos das mulheres e crianças), jornalista e escritora síria forçada ao exílio desde 2011 pelo regime de Bashar al-Assad. A guerra, desencadeada pela agressiva e sangrenta reação de Bashar às manifestações inicialmente pacíficas contra o regime e a favor de um estado democrático, continua a matar e deslocar inocentes todos os dias.

No livro tenho encontrado relatos impressionantes sobre o que Samar foi testemunhando nos seus regressos clandestinos à terra natal, sobretudo relativos ao dia a dia dos cidadãos que têm vindo a lutar ininterruptamente pela sua sobrevivência e para manter vivo o sonho de ter um país livre, democrático e em paz. Relatos que embora a mente se recuse a aceitar como verídicos, num primeiro momento, são autênticos e espelham o sofrimento e a destruição material e imaterial que vigoram no território sírio. Por entre os testemunhos relativos às repugnantes atrocidades cometidas por diferentes atores, Yazbek tem passagens emocionantes, verdadeiramente demonstrativas da bondade humana. Outras representam não só momentos de partilha de cariz mais pessoal como também atestam o estilo da sua escrita, como comprova o seguinte excerto, referente à segunda passagem da escritora da Turquia para a Síria através das montanhas Reyhanli.

“Of our band of twenty, I was the only woman. Three traffickers accompanied us, and among the men who had just arrived I noticed the Yemeni and the Saudi who had been on my flight from Istanbul to Antakya. They looked ready for action. I moved towards them, keeping a cautious distance away, still hoping to eavesdrop on their conversation. For a moment I wondered about saying something to them, like, ‘What are you doing in my country?’ but I remained silent. The past two years had taught me to keep quiet. Silence in an opportunity to give meaning to the things around us, to watch and reflect. It gives things the chance to express themselves; even if it’s not without ambiguity, silence often creates the space for meaning to emerge.”

Advertisements